Notícia - 5 habilidades sociais que os profissionais de TI devem ter

5 habilidades sociais que os profissionais de TI devem ter

5 habilidades sociais que os profissionais de TI devem ter

Conforme as redes sociais tornam-se mais integradas ao negócio, as descrições de cargo passam a mudar. Isso pode ir de casa a profissionais de TI, ambos usam e apoiam as ferramentas e processos sociais. No melhor dos mundos, eles também estão trabalhando em conjunto com a empresa para orientar a implantação e o gerenciamento de ferramentas sociais. Para isso, no entanto, os profissionais de TI devem ter – ou adquirir – certas habilidades sociais.

No relatório “Reimaginando a TI num futuro incerto”, a Accenture chama o impacto cultural do consumidor de TI – incluindo social – como uma das forças que impacta a agenda e a função da TI no futuro. “Os smartphones, as redes sociais, como Facebook e Renren da China, e outras tecnologias de consumo já transformaram o modo como as pessoas trabalham, brincam, aprendem, compartilham, fazem compras, conversam e organizam”, aponta o relatório. “Elas estão instigando grandes mudanças na cultura, atitudes e normas de trabalho.”

Segundo o relatório, a função da TI está madura para a reinvenção. Então, por onde os profissionais de TI devem começar? O BrainYard falou com vários especialistas em negócios sociais para descobrir em que os profissionais de TI devem se concentrar para garantir um bom posicionamento para apoiar de forma eficaz as suas organizações. Algumas destas habilidades e funções podem existir e apenas precisam ser polidas, outras precisarão ser aprendidas. Todas precisam ser consideradas.

1. Competência para análise de dados


Onde social vai, vão os grandes volumes de dados, desarrumados e não estruturados. “No espaço social, temos mais dados do que já tivemos antes sobre como as pessoas se envolvem com as nossas mensagens”, disse William Rand, diretor do Centro de complexidade dos negócios e professor assistente de marketing, operações de TI e ciência da computação na Escola Robert H. Smith of Business da Universidade de Maryland.

Para obter um retorno sobre o negócio social, profissionais de TI terão de se tornar especialistas na avaliação e implementação de sistemas de análises de big data.

“Para ajudar os seu próprio departamento, ou outros, a descobrir ideias usando dados sociais, é preciso ser capaz de juntar um quebra-cabeça que inclui a compreensão da relação dinâmica entre os dados estruturados e não estruturados, o contexto por de trás do conteúdo gerado pelo usuário e como atribuir as informações as partes interessadas “, disse Ari Lightman, professor da Carnegie Mellon University e diretor do Instituto CIO. “Além disso, eles precisam entender quais dados precisam ser obtidos para preencher a lacuna entre as correlações e causalidade real.”

2. Habilidades em padrões abertos


O sucesso de um negócio social depende de normas, disse Ed Brill, diretor de negócio social da IBM, e deve desenvolver uma compreensão de como os padrões chave trabalham em contexto. “Os padrões abertos – como, por exemplo, Open Social 2.0 – permitem o intercâmbio contínuo de informações entre aplicações de negócios, plataformas e dispositivos para promoção do compartilhamento de conteúdo e aumento da comunicação”, disse Brill. “No local de trabalho distribuído hoje – com grande diversidade de conteúdos, processos e dispositivos -, padrões abertos desempenham um papel conector vital. Ao adotar padrões abertos, a TI pode ajudar a organização a se tornar mais bem posicionada não só para evoluir seu uso de ferramentas de rede social, mas para ganhar vantagem competitiva. “

Competências de marketing


Os profissionais de TI precisam estar envolvidos em inciativas de marketing? Não. Mas será que os executivos de TI precisam estar alinhados com o CMO? Sim. O departamento de marketing provavelmente está na vanguarda do social em sua organização.Você deve se acostumar com o marketing – e outros departamentos – chamando alguns dos técnicos. Os profissionais de TI devem demonstrar a capacidade e vontade de ganhar um conhecimento profundo de outros departamentos para que possam, efetivamente, fornecer apoio e orientação.

“Os investimentos em TI têm sido o domínio do CIO e sua equipe, mas tudo isso está mudando. Cada vez mais os CMOs e suas equipes, com projetos digitais e sociais, impactam os investimentos em TI”, comentou Brill, da IBM. “Dado o realinhamento de negócios entre marketing e tecnologia, o CMO e o CIO não podem mais se dar ao luxo de operar em fases distintas. Apesar de origens e culturas diferentes, esses papeis estão no mesmo barco. Eles precisam uns dos outros mais do que nunca. Juntos, eles podem se aproximar do negócio social como um sistema corporativo essencial que oferece inovação, resultados de negócio e melhor experiência do cliente.”

4. Habilidades de colaboração social


“Os profissionais de TI precisam de uma compreensão completa de plataformas sociais da empresa, incluindo as regras de engajamento, mecanismos de adoção, moderação da comunidade, escape de dados, etc”, disse Lightman. “Isso não deve ser apenas no nível teórico, mas também o conhecimento tácito, ou seja, eles devem ser profissionais de desenvolvimento.”

Isso inclui promover – e disponibilizar – a sua experiência em canais sociais. “Os profissionais de TI devem mudar a sua abordagem de informação e conhecimento através da compreensão do papel de especialista no assunto e sua disponibilidade em redes sociais”, avisou Esteban Kolsky, diretor e fundador da empresa de pesquisa ThinkJar. “Eles devem se tornar mais disponíveis para uma melhor utilização de seus conhecimentos. Comunidades são ótimos lugares para fazer isso.”

5. Habilidades com pessoas


O cara de TI tão bem satirizado por Jimmy Fallon no Saturday Night Live é, provavelmente, extinto na maioria das organizações, se é que ele existiu. Com isso dito, os profissionais de TI precisam de um novo nível de habilidades das pessoas como eles trabalham para orientar e apoiar o negócio em seu uso de tecnologia social e outras cuja utilização é muitas vezes dirigida em primeiro lugar pelos próprios usuários, que passam por mudanças muito mais rapidamente do que no passado . “Resiliência, junto com a flexibilidade, são fundamentais assim como os modelos de tecnologia de hoje, que permitem aos diretores de TI escolherem e implementarem o que é certo”, Christopher Sokolov, diretor de TI na San Domenico, disse à InformationWeek. “Eu acho que pegar o pulso da cultura da empresa e o nível de resistência e o que é possível implementar e quando é importante são características que eu procuraria em um possível candidato a ser meu substituto.”